Dieta cetogênica: os riscos e benefícios do fim do carboidrato nas refeições - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Dieta cetogênica: os riscos e benefícios do fim do carboidrato nas refeições

Por: Elite FM
Publicado em 23/02/2019

Com a exclusão de toda fonte de carboidrato, inclusive frutas e hortaliças, a dieta cetogênica é considerada perigosa por especialista. Veja os perigos e benefícios. Reduzir o pão, o macarrão e o arroz das refeições é uma opção adequada e até certo ponto incentivada pelos profissionais de saúde para a redução de peso. O limite está quando toda fonte de carboidrato é cortada da dieta, excluindo até mesmo aquele presente nas frutas, verduras e hortaliças. Essa é a proposta da dieta cetogênica, que proíbe a ingestão, durante algumas semanas, de carboidratos. Por essa exclusão completa de um grupo alimentar, a dieta cetogênica é vista com receio pelos especialistas em saúde. De acordo com Marcella Garcez Duarte, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia, esse tipo de dieta não pode ser feita sem o acompanhamento de médicos e nutricionistas, pois eleva o risco de hipoglicemia (quando há pouco açúcar circulante no sangue, que se transforma em energia ao organismo), e aumenta a formação dos corpos cetônicos, tóxicos ao cérebro. Quando há uma falta significativa de carboidratos, nossa principal fonte de energia, o corpo corre atrás de outras fontes. No fígado, o organismo promove a quebra dos ácidos graxos, gerando energia e de onde derivam os corpos cetônicos. Embora sejam fontes de energia ao coração, cérebro e tecido muscular na falta do carboidrato, esses corpos cetônicos são também tóxicos ao organismo e, por isso, a ausência de carboidrato não deve durar mais que algumas horas. “O grande público das dietas, tanto a cetogênica, quanto a low carb que também reduz o consumo de carboidrato, são as pessoas que frequentam as academias. O ideal é que toda mudança alimentar seja um reaprender a comer, não dietas pontuais. Tem que ser para a vida toda”, explica a médica.


Fonte: Gazeta do Povo