A Justiça do Trabalho pode acabar. Entenda o que pesa contra ela - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

A Justiça do Trabalho pode acabar. Entenda o que pesa contra ela

Por: Elite FM
Publicado em 09/01/2019

Trabalhadores venceram 88,5% das ações trabalhistas em um dos maiores tribunais do país. Índices como esse reforçam as críticas de quem acredita que os juízes do trabalho são parciais e querem fazer justiça social à sua maneira. Desrespeito à reforma trabalhista, “criatividade ideológica” na aplicação das leis, penalização desproporcional aos patrões como se fossem sempre os “vilões” e “opressores” e orçamento caro com pouca produtividade. A confirmação do presidente Jair Bolsonaro de que sua equipe estaria estudando uma proposta para extinguir esse braço do Judiciário foi comemorada porque acabaria com muitas injustiças.  Para defensores da Justiça do Trabalho, associação que reúne juízes trabalhistas, além de procuradores e outros profissionais do setor, a reforma trabalhista iniciou no Brasil um “estado de exceção”, ou seja, como se a nova lei tivesse acabado com a democracia no país – o que não é verdade. O que o Brasil precisa é acabar com o “juiz classista” que teria nascido com a estrutura de leis trabalhistas criadas por Getúlio Vargas. "O argumento mais forte contra a Justiça do Trabalho é o de que, com o passar dos anos, criou-se dentro dela um grupo de juízes, apoiados pelos procuradores dos Ministérios Públicos do Trabalho, desconfiado das empresas e interessado em favorecer os funcionários (e seus sindicatos), a qualquer custo. Hoje o Brasil é outro e não suporta  o anacronismo  dos juízes classistas. 


Fonte: Gazeta do Povo