O?plano de Paulo Guedes que pode afetar saúde, educação e salário mínimo - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

O?plano de Paulo Guedes que pode afetar saúde, educação e salário mínimo

Por: Elite FM
Publicado em 13/12/2018
img
Foto: Paulo Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil/Gazeta do Povo

Futuro ministro da Economia quer desengessar o Orçamento federal, que tem mais de 90% de despesas obrigatórias. Iniciativa é elogiada por especialistas em contas públicas, mas de difícil implementação. O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, quer cortar as amarras do Orçamento federal. Por dois motivos, pelo menos: permitir que o governo tenha mais liberdade para usar o dinheiro público e, antes de mais nada, evitar que Jair Bolsonaro descumpra o teto de gastos já em 2019, primeiro ano de seu mandato.Se levado adiante, o projeto de Guedes pode afetar gastos em educação e saúde e até o salário mínimo. Também está em estudo uma mudança de regras para turbinar a Desvinculação de Receitas da União (DRU), que hoje é pouco efetiva. O?plano ganhou força com o impasse em relação à divisão dos recursos a serem arrecadados no megaleilão de áreas do pré-sal, estimados para alguns, superestimados em R$ 100 bilhões. O futuro ministro, que tem a meta ousada de zerar o déficit primário do governo já em 2019, contava com esse dinheiro para fechar as contas. Sem a garantia de que ele virá, busca alternativas. Especialistas em contas públicas apontam há muito tempo a necessidade de “desengessar” o Orçamento brasileiro. Na avaliação do Tesouro Nacional, ele é provavelmente o mais rígido do mundo, com muitas receitas vinculadas (com destino predeterminado), despesas obrigatórias (muitas delas “indexadas”, com correções automáticas relacionadas à inflação, por exemplo) e cada vez menos verba disponível para gastos de livre escolha, como investimentos em obras, por exemplo. O Brasil também é campeão em desperdícios com milhares de obras abandonadas, benesses absurdas, salários de estatais que ultrapassam os R$ 70 mil, excesso de funcionalismo e tantos ralos que permitem a fuga do nosso dinheiro, sem contar com os ladrões do dinheiro público.

 


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm

Fonte das fotos: ImagemFoto: Paulo Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil/Gazeta do Povo