Eleições 2018: o Brasil dos altos preços e da baixa qualidade - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Eleições 2018: o Brasil dos altos preços e da baixa qualidade

Por: Guilherme M
Publicado em 19/10/2018
img
Alexandre Pierro-engenheiro mecânico, bacharel em física aplicada pela USP e fundador da PALAS, consultoria em gestão da qualidade.Imageml/Reprodução/InformaMídia Comunicação

O Brasil há 36 anos não tem aumento de produtividade. No dia 28, o país inteiro vai para a urna eletrônica eleger o representante político que irá governar o Brasil pelos próximos quatro anos. Apesar do período eleitoral ser o momento crucial para debater ideias e planos, muito se fala sobre o histórico de corrupção e da vida pessoal dos candidatos e, pouco se vê sobre o plano estratégico de cada candidato para construirmos um Brasil melhor. Essa falta de planejamento para executar um plano de governo não é de hoje. Infelizmente, ela é sistêmica e faz parte da nossa história desde o Brasil Império, quando se cobrava o Quinto, um imposto do governo que correspondia a 20% do metal extraído pelas casas de fundição. Era um imposto odiado pela população. Hoje a situação do Brasil é muito pior. Praticamente 50% ou até mais do que o brasileiro  ganha ,são devolvidos ao governo pelos abusivos impostos, até o pãozinho de cada dia tem 25% de imposto. As empresas, que geram emprego e renda, são as mais sacrificadas pela absurda carga tributária e pela burocracia retrógrada. Tanto é verdade que nos últimos 13 anos mais de 100 mil empresas fecharam ou foram para o exterior. Só o Paraguai recebeu centenas de empresas brasileiras como maquiladoras, que passaram a produzir naquele país com menores custos. O novo governo precisa reformar o sistema tributário que foca seus impostos no consumo, o que significa matar a galinha dos ovos de ouro, pois se não  houvesse tanto imposto sobre o consumo, haveria mais demanda e consequentemente mais  arrecadação.


Fonte: Informa Mídia e Elite FM

Fonte das fotos: Imageml/Reprodução/InformaMídia Comunicação