Montadoras cobram R$ 40 mil em carro popular e ainda querem bilhões do governo - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Montadoras cobram R$ 40 mil em carro popular e ainda querem bilhões do governo

Por: Elite FM
Publicado em 23/11/2017

Com o fim do Inovar-Auto, a indústria automotiva pressiona para ter mais renúncias fiscais. A equipe econômica e as montadoras instaladas no Brasil estão em uma queda de braço em torno da implementação de uma política industrial para o setor a partir de 2018. No momento, o governo se inclina a não renovar incentivos fiscais para a indústria automotiva para evitar que isso vire um obstáculo para a assinatura de um acordo comercial com a União Europeia. Há boas razões para acreditar que o melhor é mesmo o governo não intervir mais no setor. A indústria automotiva brasileira é uma das mais protegidas e apoiadas do mundo. Desde os anos 90, as fábricas instaladas aqui contam com uma reserva de mercado propiciada por um imposto de importação de 35%. O efeito de toda essa proteção é a formação de um mercado com preços altos, produtos defasados e excesso de capacidade de produção (algo que reforça a pressão por mais proteção) e margem de lucro distorcida. Além disso o automóvel brasileiro é dos mais caros do mundo, praticamente o dobro do valor  praticado nos EUA e não é por conta dos impostos ,já que são similares  aos das maiores economias europeias.  Inovar-Auto custou R$ 5,2 bilhões em renúncias ficais de 2013 a 2017, sem contar gastos indiretos com outras políticas, como aquelas dirigidas para empresas instaladas nas regiões Norte e Nordeste. O cálculo do IFI soma R$ 28 bilhões em renúncias no período 2006 a 2018.


Fonte: Gazeta do Povo