O aval do STF para outro abuso contra a Lava Jato - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

O aval do STF para outro abuso contra a Lava Jato

Por: Elite FM
Publicado em 28/03/2021
img
A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber-Foto: Fellipe Sampaio/STF

Na terça-feira, pouco antes do início da sessão da Segunda Turma que tornaria Sergio Moro suspeito no julgamento do tríplex do Guarujá, beneficiando o ex-presidente Lula, o Supremo Tribunal Federal dava seu aval para outro grande abuso seguir adiante: a ministra Rosa Weber negou monocraticamente um habeas corpus impetrado pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) para suspender o inquérito aberto no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra procuradores da Lava Jato. Com isso, a corte poderá seguir adiante com uma investigação que repete as piores características de outra aberração jurídica, o inquérito das fake news que corre no STF.O STJ não apenas assumiu – abusivamente, é preciso sempre recordar – o tríplice papel de vítima, investigadora e julgadora,mas também está atropelando questões diretamente relacionadas ao fato de os alvos da investigação serem procuradores do Ministério Público Federal, que só podem ser investigados por outro membro do MPF e devem ser julgados em um Tribunal Regional Federal. Para acrescentar ainda mais abusos à lista, o inquérito viola flagrantemente a Constituição ao estar embasado em prova ilícita (as supostas conversas entre procuradores, obtidas por meio do crime de invasão dos celulares dos membros do MPF),e pretende apurar um “crime de opinião”, já que, segundo tais conversas, cuja autenticidade jamais foi comprovada, mesmo após perícias, os procuradores teriam simplesmente mencionado a ideia de analisar a movimentação patrimonial de ministros do STJ, sem jamais tê-la colocado em prática. O desmonte da Lava Jato não se limita a simplesmente desfazer o trabalho bem feito da operação. O que está ocorrendo, aos poucos, é a transformação dos agentes da lei em criminosos, enquanto os verdadeiros bandidos terminam impunes. 


Fonte: Gazeta do Povo