Bancada feminina no Senado passa a ter status de partido. O que muda na prática - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Bancada feminina no Senado passa a ter status de partido. O que muda na prática

Por: Elite FM
Publicado em 19/03/2021
img
Pronunciamento,via videoconferência, da senadora Simone Tebet (MDB-MS).| Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Não se trata de cotas para mulheres, mas não deixa de ser uma ação afirmativa. Com a votação simbólica do Projeto de Resolução 6 de 2021, na semana passada, a Bancada Feminina passou a ter, pela primeira vez na história do Senado, uma líder com todas as prerrogativas do cargo, assim como os partidos ou blocos partidários. Além de ter direito à cadeira no Colégio de Líderes do Senado, grupo responsável por auxiliar o presidente da Casa a definir a pauta, a bancada poderá indicar integrantes de comissões e vice-líderes, usar a palavra em qualquer fase das sessões plenárias, solicitar questões de ordem e até requerer dispensa da discussão. O objetivo principal é dar às 12 senadoras da Casa mais espaço. A queixa é que, muitas vezes, elas não são ouvidas pelos seus partidos e colegas na análise de questões políticas, econômicas, de segurança pública, etc., e até em pautas de interesse direto das mulheres. "Era necessário criar um espaço de poder para que possamos bem desempenhar o nosso trabalho e promover a pauta que a nós é cara, que não é, necessariamente, só a pauta da mulher. Temos que acabar com o preconceito, informação equivocada de que mulheres só tratam de políticas públicas. Mulheres entendem de economia, de segurança pública, etc. A partir de agora, atuaremos com mais força", explica a presidente da bancada, Simone Tebet (MDB-MS). 


Fonte: Gazeta do Povo