Procurador da Lava Jato desabafa sobre conversas vazadas: “ambiente de botequim” - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Procurador da Lava Jato desabafa sobre conversas vazadas: “ambiente de botequim”

Por: Elite FM
Publicado em 14/02/2021
img
Procurador reforçou que os diálogos eram informais e não interferiam nos trabalhos da força-tarefa da Lava Jato-Foto: Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo

Ex-integrante da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, o procurador Orlando Martello fez um desabafo aos colegas sobre o teor das conversas mantidas entre a os integrantes da operação no aplicativo Telegram e que foram vazadas por hackers. Em mensagem enviada por e-mail, Martello garante que o espaço usado para a troca de mensagens era um ambiente livre e de descontração entre os procuradores, comparando o grupo no aplicativo a um “ambiente de botequim” e que, por isso, não deveria ser levado a sério, enfatizando que os diálogos eram informais e não interferiam na atuação dos procuradores frente aos trabalhos da Lava Jato: “sempre prevaleceu a razão”, enfatizou. Martello diz ainda não se lembrar da maioria das mensagens, reforçando mais uma vez o tom informal das conversas. “Sinceramente, não me recordo da grande maioria das mensagens... e digo isso com sinceridade mesmo! Foram tantas mensagens, muitas em finais de semana, em dias festivos, de madrugada. “Quanto ao grupo de Telegram,creio que todos têm noção do que ocorre. Uma área em que os pensamentos são externados livremente e sem censura entre amigos, alguns de mais de décadas. A questão se agrava quando a reportagem suprime um "kkk" da linha imediatamente abaixo do texto ou ignora o “kkk” tardio, que veio mais à frente, atropelado pela enxurrada de mensagens que se seguiram. Também a inobservância do contexto é suficiente para alterar todo o sentido da mensagem", lamentou. “O que devia ser levado a sério mesmo é a roubalheira do dinheiro público para ser devolvido em serviços para quem paga imposto e conversas  informais de botequim existem todo dia com quaisquer pessoas.


Fonte: Gazeta do Povo