Como a palavra “ciência” ganhou conotação política no Brasil - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Como a palavra “ciência” ganhou conotação política no Brasil

Por: Elite FM
Publicado em 20/01/2021
img
Coronavac é a vacina do momento-Foto-Governo de SP/Divulgação

 A Anvisa acaba de aprovar por maioria o uso emergencial da vacina do Butantan. Vitória da ciência", disse João Doria após a aprovação da Coronavac pela Anvisa. Há meses a ciência se tornou fonte de antagonismos ideológicos e peça do jogo político no Brasil. Mas, nos últimos dias, com as polêmicas e confusões em torno da vacinação contra o coronavírus, esse fenômeno ganhou ainda mais força. Não só Doria, Maia e Mandetta, mas também”supostas” celebridades como Felipe Neto e Luciano Huck insistem na palavra "ciência" para se contrapor ao chamado "negacionismo científico". Enquanto isso, muitos acusam essas personalidades de praticarem demagogia ”barata e totalmente desconexa com a realidade” usando a ciência como plataforma. No último dia 9, por exemplo, depois que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) cobrou alguns documentos para a aprovação da Coronavac, o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchtey, fez uma afirmação controversa em uma entrevista: “Não é hora de nós sermos tão cientistas como estamos sendo agora”. A palavra “ciência” e suas derivadas se tornaram peças do jogo político no Brasil desde que, nos primeiros meses da pandemia, o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, insistiu em seu uso para mandar indiretas para Bolsonaro. A insistência de Mandetta em posar como representante da ciência foi criticada até por cientistas, e o mantra, que passou a ser repetido por outras figuras, tornou-se objeto de ironia. Para o filósofo Francisco Razzo, colunista da Gazeta do Povo, a polêmica em torno da ciência se dá, em parte, porque alguns cientistas opinam em excesso sobre temas que extrapolam sua área de expertise, sem estabelecer as fronteiras adequadas entre os saberes. As decisões de natureza política passam por outro tipo de reflexão: sobre o que é justo, o que é correto, o que é bom para a sociedade”, afirma Razzo. 


Fonte: (Leonardo Desideri-Gazeta do Povo).