Coronavírus fez mercado de trabalho saltar para o futuro. O que esperar? - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Coronavírus fez mercado de trabalho saltar para o futuro. O que esperar?

Por: Elite FM
Publicado em 19/01/2021
img
Pandemia do novo coronavírus acelerou tendências no mercado de trabalho.| Foto: Unsplash/Gazeta do Povo

A adoção de medidas de distanciamento ou de isolamento social como estratégia de contenção da Covid-19 impôs mudanças no dia a dia das pessoas, inclusive na vida profissional. Pressionado pelas necessidades que surgiram junto da onda do novo coronavírus, o mercado de trabalho brasileiro acabou empurrado para o futuro.Esse “fast forward” se deu a partir da adoção mais ampla do trabalho remoto e de uma aceleração da transformação digital em negócios dos mais diversos portes e segmentos. Os dois movimentos ganharam tração em 2020 para que empresas garantissem sua sobrevivência em tempos de pandemia, mas prometem ter vindo para ficar. O pesquisador Yuri Lima avalia que, com a pandemia de Covid-19 e a necessidade de distanciamento físico, se percebeu a aceleração de uma série de tendências que – esperava-se - ocorressem apenas dentro de anos e até mesmo décadas. “Algumas foram bruscas como a passagem do trabalho presencial para o trabalho à distância, particularmente o home office. Outras mudanças exigem mais investimento e tempo, mas já são percebidas como o avanço da automação. No futuro, acredito que tenhamos uma permanência de algumas das transformações”, disse o especialista, integrante do Laboratório do Futuro, ligado ao Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Lima destaca a derrubada de uma barreira cultural que muitas empresas ainda tinham com relação ao teletrabalho. Já a automação, que envolve investimentos mais altos de capital e a própria transformação do modo de operação das empresas, é mais lenta, mas “também é de se esperar que seja um caminho sem volta e o movimento deve só se intensificar”, frisa. 


Fonte: Gazeta do Povo