Pandemia impulsiona informalidade no mercado de trabalho e CLT pode virar exceção - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Pandemia impulsiona informalidade no mercado de trabalho e CLT pode virar exceção

Por: Elite FM
Publicado em 13/01/2021
img
Pandemia acelerou algumas tendências do mercado de trabalho, com impulso à informalidade| Foto: Bruno Kelli/Amazonia Real

A Covid-19 serviu de catalisador para mudanças importantes no mercado de trabalho brasileiro. Medidas tomadas no país com o objetivo de frear a propagação do novo coronavírus produziram efeitos colaterais que devem se prolongar e têm capacidade para alterar de modo mais permanente a realidade dos trabalhadores e dos negócios, com destaque para a informalidade crescente e a aceleração da transformação digital. Primeiro item apontado, o avanço no contingente de informais não é fruto da pandemia, mas recebeu novo impulso. Antes da crise sanitária, os profissionais sem carteira assinada ou outros vínculos trabalhistas já representavam 40% da força de trabalho nacional segundo dados do IBGE. Sob o signo da Covid-19, a busca por alternativas no mercado informal se acentuou – seja por dispensas causadas pelo fechamento de empresas e pela redução nos níveis de atividades, seja pela flexibilização das regras do "jogo" trabalhista (que ganhou capítulo a parte por meio da criação de programa de manutenção do emprego e renda, que autorizou a suspensão temporária de contratos e os cortes de jornada e salário como prevenção a demissões).Na seara da informalidade, entram o trabalho por conta própria, a prestação de serviços por intermédio de aplicativos, o empreendedorismo sem registro junto aos órgãos da administração pública. O trabalhador CLT não é mais a regra, estaria, na verdade, tornando-se exceção. “Tivemos a uberização, os coworkings, os contratos flexíveis e essa vai ser muito possivelmente uma tendência para a próxima década, com uma nova estrutura de relações trabalhistas. E as pessoas vão ter que se adaptar, tanto as empresas quanto os trabalhadores.


Fonte: Gazeta do Povo