Quais são e o que querem os partidos “indecisos” na disputa pelo comando da Câmara - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Quais são e o que querem os partidos “indecisos” na disputa pelo comando da Câmara

Por: Elite FM
Publicado em 16/12/2020
img
Plenário da Câmara dos Deputados-Foto:Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Partidos que fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro e um que se coloca como independente ao governo ainda não definiram seu posicionamento na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados, que tem a eleição agendada para fevereiro. Somadas, as legendas detêm mais de 130 parlamentares. Os votos desses deputados podem ser o "fiel da balança" em uma corrida que, até o momento, se mostra equilibrada. Os partidos de oposição que ainda não definiram seu voto são Rede, PSB, PDT e PCdoB. Apesar de as legendas estarem do mesmo lado na contestação ao presidente da República, não necessariamente se posicionarão da mesma forma na disputa pelo comando da Câmara. Já o Novo é o partido independente que ainda não consolidou seu posicionamento na corrida a sucessão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A legenda conta com oito deputados federais. Os demais partidos que têm representantes na Câmara estão divididos, em linhas gerais, em quatro grandes grupos. Um é o que apoia a candidatura do líder do Centrão, Arthur Lira (PP-AL). Nesse bloco estão PP, PSC, Patriota, PL, PP, PSD, Solidariedade, PTB, Pros e Avante.O outro grupo tem como referência o atual presidente, Rodrigo Maia, e ainda não definiu seu nome na disputa. As siglas que estão ao lado de Maia são MDB, PSDB, DEM, Cidadania, PV e PSL. O terceiro segmento foi formado recentemente e é o de apoio à candidatura de Marcos Pereira (Republicanos-SP. Já o Psol, que também conta com 10 deputados, forma a quarta subdivisão, mas sem chance. O pano de fundo desta escolha nada tem a ver com a prioridade do Brasil e sim um viés totalmente fisiologista, visando interesses pessoais, notadamente voltados à reeleição. E por isso que se confirma ainda mais que partidos e políticos  são as duas classe mais desacreditadas do país.


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm