Como as penitenciárias federais impulsionaram o crescimento das facções criminosas - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Como as penitenciárias federais impulsionaram o crescimento das facções criminosas

Por: Elite FM
Publicado em 03/12/2020
img
Penitenciária federal de Catanduvas, no Paraná: líderes de facções de diferentes estados se encontraram nessas unidades.| Foto: Cesar Machado/Arquivo/Gazeta do Povo

Criado em 2006, o Sistema Penitenciário Nacional (SPN) acabou virando uma válvula de escape para os estados brasileiros que buscam resolver problemas causados por facções criminosas nos seus sistemas prisionais. O sistema federal é destinado a abrigar presos de alta periculosidade e lideranças de organizações criminosas. Mas, segundo pesquisadores da área se segurança pública, acabou impulsionando o crescimento e a nacionalização das facções criminosas, além de proporcionar oportunidades para acordos entre elas. São cinco unidades em funcionamento no país. A primeira a ser inaugurada, em Catanduvas (PR), opera desde junho de 2006. Há unidades também em Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Mossoró (RN) e Brasília (DF). A da capital federal é a mais nova, inaugurada em 2018.As transferências de líderes de organizações criminosas de presídios estaduais para penitenciárias federais têm sido rotineiras. As unidades federais reunem presidiários dos mais variados estados e facções, oferecendo oportunidade singular de estabelecer contatos, alianças ou rupturas. No livro A Guerra: a Ascensão do PCC e o Mundo do Crime no Brasil, os pesquisadores Bruno Paes Manso e Camila Nunes Dias mostram como o sistema penitenciário federal “funcionou como um elo integrando indivíduos, grupos e organizações criminosas de todos os tamanhos e lugares do Brasil”.


Fonte: Gazeta do Povo