Após desidratar nas urnas, esquerda fala em renovar quadros para 2022 - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Após desidratar nas urnas, esquerda fala em renovar quadros para 2022

Por: Elite FM
Publicado em 02/12/2020
img
Imagem:Ricardo Stuckert/Instituto Lula

É certo, porém, que com matéria prima ruim nunca se fará produto bom, por mais renovação que for aplicada. Diante dos resultados das eleições municipais, membros de partidos de esquerda reconhecem que vão precisar intensificar o processo de renovação política em nome da própria sobrevivência para as eleições de 2022. No geral a avaliação da cúpula dessas siglas esquerdistas, é que as eleições municipais deste ano ratificaram o processo de desgaste de velhos líderes.(Lula foi imposto nas propagandas do PT a contragosto de muitos candidatos). Entre os partidos de esquerda, a situação de PT e PCdoB é considerada a mais preocupante. Em números absolutos, o PT sai das eleições de 2020 com o menor número de cidades desde o início da era Lula: 183. Além disso, essa é a primeira vez que o partido não conquista nenhuma capital. No segundo turno, o PT disputou as prefeituras de Recife e Vitória. Perdeu em ambas. O PSB conseguiu eleger dois prefeitos de capitais: Recife e Maceió. E o Psol conquistou Belém. No caso específico do PT, alguns partidários creditam a derrota nas urnas a dois personagens: a presidente do partido, Gleisi Hoffmann e, em menor grau, ao ex-presidente Lula. Integrantes da executiva nacional alegaram que a deputada errou no processo eleitoral de 2020 ao falar apenas para “convertidos”, inclusive pelas redes sociais. Em um cenário de declínio, esse tipo de comportamento, na visão deles, ampliou um fosso já existente entre o eleitorado e o partido. A crise interna é tanta que membros da sigla já falam em pressioná-la a antecipar o término de sua gestão, que vai até 2023.Lula também tem sua parcela de culpa, na visão de integrantes do partido. A lição das urnas mostra que o PT precisa apresentar novos nomes já que os que estão aí foram rejeitados pelo eleitor. A esquerda não tem lideranças, não tem projetos e mantém o foco principal no Estado, que deve resolver os problemas de todos, imaginando que o Estado tem uma fábrica  de dinheiro.


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm