Governo espera preencher mais de 50 mil cargos e funções em 2021 - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Governo espera preencher mais de 50 mil cargos e funções em 2021

Por: Elite FM
Publicado em 24/10/2020
img
Governo prevê contratação de mais de 50 mil servidores em 2021. Foto: Roque de Sá/Agência Senado/Gazeta do Povo

Em momento delicado das finanças do país, gerar mais despesas é ”mau negócio”. A proposta de Orçamento para 2021 prevê o preenchimento de quase 51 mil cargos e funções pela União, o que elevaria as despesas primárias do governo em R$ 2,4 bilhões apenas no próximo ano, e em R$ 4,5 bilhões ao ano a partir de 2022. Embora boa parte dos cargos possa mesmo ser preenchida por contratações por meio de concurso público, também pode ocorrer a nomeação de atuais servidores para funções comissionadas. Porém, o anexo V do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2021, que trata da questão, não deixa claro quantas vagas serão preenchidas de cada forma. A menção a despesas com "provimento, admissão ou contratação de pessoal" também aparece em uma nota técnica elaborada pelas consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado. A previsão de novas despesas com pessoal ocorre em momento delicado para as finanças do governo. A União fechará o ano com um déficit primário de quase R$ 900 bilhões, valor impulsionado pelos gastos com a pandemia de coronavírus. Para 2021, a previsão é de rombo superior a R$ 200 bilhões. Chama atenção que entre as inúmeras medidas adotadas para mitigação da crise estava justamente a não contratação de servidores e o congelamento de reajustes até o fim de 2021. A questão fiscal do país está em voga nos últimos meses. Para mitigar os efeitos da pandemia, o governo precisou se endividar muito para bancar programas como o auxílio emergencial. Esses gastos fizeram o déficit primário do governo disparar. Os gastos com funcionalismo está exagerado, fora dos limites e com excesso favores e benesses às custas do sacrifício  do contribuinte e o governo, antes de propor novas contratações deveria remanejar e cobrar mais produtividade com o atual quadro, pois há funcionários demais em alguns setores e faltando em outros sem considerar que muitas funções foram extintas.


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm