Farmacêuticas divulgam detalhes sobre estudos fase 3 de vacinas contra Covid-19 - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Farmacêuticas divulgam detalhes sobre estudos fase 3 de vacinas contra Covid-19

Por: Elite FM
Publicado em 24/09/2020
img
Após pressão, empresas divulgaram detalhes dos estudos de fase 3 de vacinas candidatas contra Covid-19/ Foto: BigStock/Gazeta do Povo

Pressionadas pela população e por especialistas para serem mais transparentes, três empresas farmacêuticas divulgaram detalhes dos estudos de fase 3 de vacinas candidatas contra Covid-19 na última semana. São elas a Moderna, a Pfizer e a AstraZeneca, cujos ensaios foram suspensos temporariamente no início de setembro após o registro de efeito colateral neurológico considerado grave em uma das participantes. Os testes foram retomados no Brasil, Índia, África do Sul e no Reino Unido uma semana depois, mas ainda sem previsão nos Estados Unidos. Dentre os detalhes repassados pelas empresas, foram revelados o número de participantes selecionados e monitorados por cada equipe, quais são as evidências que os pesquisadores estão buscando, que indicarão se a vacina protege contra a Covid-19, e as condições que levariam à paralisação do estudo em caso de problemas. A primeira a divulgar mais informações sobre a avaliação do imunizante foi a Moderna, empresa norte-americana que desenvolve uma vacina do tipo RNA, cuja fase 3 começou em meados de julho. A Pfizer, que vem desenvolvendo um imunizante em parceria com a empresa alemã BioNTech e com a chinesa Fosun Pharma, testa uma vacina que também é do tipo RNA, e está em fase 3, segundo dados da OMS. A divulgação dos detalhes do protocolo de estudos da AstraZeneca foi uma das mais esperadas. Isso porque duas participantes tiveram efeitos colaterais registrados, e os detalhes desses casos ainda não haviam sido divulgados. O segundo caso gerou a suspensão temporária dos estudos em todo o mundo no início de setembro. Nos Estados Unidos, os testes continuam paralisados, embora nos outros países, incluindo o Brasil, já tenham voltado. Em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, a farmacêutica desenvolveu e testa um imunizante do tipo vetor viral não-replicante, no qual é utilizado outro vírus — adenovírus causador de resfriado comum em chimpanzés — para carregar o material genético responsável pela expressão da proteína S do novo coronavírus. Essa proteína é usada pelo vírus para entrar nas células humanas, ao entrar em contato com a enzima ECA2 (enzima conversora de angiotensina 2).


Fonte: Gazeta do Povo