Sem motivo para pânico: o que se sabe sobre a suspensão dos testes da vacina contra Covid-19 - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Sem motivo para pânico: o que se sabe sobre a suspensão dos testes da vacina contra Covid-19

Por: Elite FM
Publicado em 13/09/2020
img
Procedimento é rotina nos testes de qualquer vacina: se há relato de efeito adverso, a vacinação é paralisada até o esclarecimento-Foto: Bigstock/Gazeta do Povo

A suspensão temporária dos testes da vacina contra a Covid-19 em desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca gerou uma série de dúvidas acerca da eficácia e, principalmente, da segurança da candidata. Quem trabalha com a produção de vacinas, no entanto, tranquiliza: obstáculos no caminho fazem parte das pesquisas, e eles não significam que a vacina em estudo não seja digna de confiança. Todas as pesquisas clínicas são assim, e isso é comum acontecer. Chamamos de efeito adverso tudo que acontece em termos de saúde com os participantes naquele período de avaliação. Se uma pessoa for atropelada durante o período de monitoramento, isso é visto como efeito adverso, mesmo que não tenha nenhuma relação com a vacina. “Por isso a importância de paralisar e avaliar se a vacina foi a causa ou se apenas aconteceu ao mesmo tempo", explica Juarez Cunha, médico pediatra e presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). Efeitos adversos que exijam cuidado médico são considerados graves. Os leves e moderados, embora sejam monitorados da mesma forma, são aqueles mais comuns, como febre e mal estar. Por não precisarem de um suporte médico maior, são considerados de menor risco."Ter acontecido [o efeito adverso mais grave] não significa que a vacina não seja boa ou que não seja segura. O que não queremos é que essa fase seja atropelada e que os efeitos aconteçam depois que tiver a vacinação em massa", reforça Cunha.A suspensão significa que se interrompe a inclusão de novos participantes. Os voluntários que receberam a vacina, no entanto, continuam a ser monitorados pelos centros responsáveis.


Fonte: Gazeta do Povo