Vacina russa será submetida à Anvisa até o fim de setembro - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Vacina russa será submetida à Anvisa até o fim de setembro

Por: Elite FM
Publicado em 09/09/2020
img
Tecpar será responsável pela fase 3 no Paraná -Agência Estadual de Noticias/Foto:Tecpar

Tecpar será responsável pela fase 3 no Brasil e deverá testar no mínimo dez mil pessoas, com prioridade para os profissionais de saúde. O Ministério da Saúde tem acompanhado a evolução das tratativas entre o Paraná e Instituto Gamaleya, que desenvolveu a vacina Sputnik V.O Governo do Paraná submeterá o protocolo de validação da fase 3 de estudos clínicos da vacina russa Sputnik V no País à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até o final de setembro. Depois de aprovado pelos órgãos regulatórios, a previsão é que o início dos testes aconteça até o final de outubro. Essa programação das etapas foi confirmada  pelo diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado. Ele explicou a parceria em entrevista coletiva após a publicação de um estudo com resultados preliminares publicado na revista científica The Lancet, que reconhece uma boa resposta imune dos 76 participantes das fases 1 e 2. O diagnóstico sugere que a vacina produz uma resposta das células T (de defesa) dentro de 28 dias. “O material prévio encaminhado pelos russos ao Tecpar já demonstrava resultados promissores. Mas não havíamos anunciado formalmente pelo termo de confidencialidade que temos com a Rússia. Hoje está bem evidenciado, é um dia importante para a continuidade dos trabalhos. Em ciência buscamos evidências. Estamos em busca delas desde que o Governo do Paraná e o Tecpar entraram nesse processo”, disse Callado.Ele também ressaltou que o projeto é importante para o País porque o Paraná será a porta de entrada do eventual imunizante no Brasil. O Ministério da Saúde tem acompanhado a evolução das tratativas entre o Instituto Gamaleya e o Tecpar. ”Existe uma boa taxa de confiabilidade nessa vacina. Essa publicação ainda passará pelas avaliações dos pares, dos cientistas, da comunidade internacional. Mas a confiabilidade é bastante ampla”, destacou Callado.


Fonte: Agência Estadual de Noticias