Auxílio emergencial e clientelismo - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Auxílio emergencial e clientelismo

Por: Elite FM
Publicado em 24/08/2020
img
Aprovação do presidente Jair Bolsonaro no Nordeste cresceu após o auxílio emergencial. Foto: Alan Santos/Presidência da República/Gazetado Povo

O auxílio emergencial de R$ 600 para quem ficou sem fontes de renda durante a pandemia da Covid-19 não é apenas um paliativo necessário para amenizar uma situação dramática que atinge milhões de brasileiros: é também um forte cabo eleitoral. Pelo menos é o que afirmam analistas que viram a popularidade do presidente Jair Bolsonaro subir ao melhor nível desde o início de seu mandato: 37% de “ótimo” ou “bom”. No Nordeste a rejeição a Bolsonaro caiu 17% e aprovação de 33%. Teria Bolsonaro aderido ao clientelismo? A resposta não é nada simples, pois  o auxilio emergencial era urgente para a população mais vulnerável e foi estratégia usada não apenas no Brasil, mas em vários outros países. Aos beneficiários do auxílio emergencial não se pode recriminar que sejam gratos, inclusive eleitoralmente, a quem lhes está garantindo um mínimo de renda. E ninguém haverá de discordar que os mais pobres, os miseráveis, podem e devem receber esse tipo de ajuda direta, pois sua vulnerabilidade é tanta que muitas vezes eles são incapazes de conseguir se erguer por conta própria. Neste momento, não há dúvidas quanto à necessidade das ações emergenciais, rendam ou não dividendos eleitorais ao mandatário de plantão.Faz sentido lembrar também que se os governo tivessem cumprido seu dever  criando infraestruturas em todas as áreas, a partir da educação, muitas pessoas vulneráveis teriam tido oportunidade de uma vida melhor com  seu emprego e renda. No Brasil, se fez o contrário, criando dependência total para ter respaldo no clientelismo, notadamente em eleições, pois o maior desejo de quase toda a classe política é se manter no poder. E por isso que temos políticos eternos forjados na ignorância do povo e seguramente a esquerda vai acusar Boslonaro de fazer clientelismo pela ajuda emergencial, o que não é novidade.


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm