Vacina russa é eficaz? Brasileira diretora da OMS avalia cenário e previsão de chegada - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Vacina russa é eficaz? Brasileira diretora da OMS avalia cenário e previsão de chegada

Por: Elite FM
Publicado em 15/08/2020
img
Mariângela Simão em reunião da Frente Parlamentar do Coronavírus|-Foto: Reprodução / TV Assembleia/Gazeta do Povo

Em reunião da Frente Parlamentar do Coronavírus da Assembleia Legislativa do Paraná, a vice-diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela Simão, disse que a previsão otimista da agência é que uma vacina para a Covid-19 só estará disponível ao público no meio do ano que vem. “Podemos até ver vacinas sendo colocadas no mercado antes disso, mas colocar no mercado não quer dizer que estará disponível. Há uma série de trâmites a serem enfrentados para se chegar a uma distribuição global”, disse. Curitibana, Mariângela atendeu ao pedido do presidente da frente parlamentar, Michele Caputo (PSDB), para debater os estudos sobre vacina para o coronavírus no dia que o Paraná assinava termo de cooperação com o governo russo para testar e (caso aprovada) produzir localmente a primeira vacina registrada no mundo. “O sistema regulatório na Rússia é muito diferente do restante do mundo. É dividido em três ministérios diferentes, não tem equivalente no mundo. E, até o momento, não é possível se ter uma melhor informação sobre os dados deles. Não sabemos, sequer em que estágio da pesquisa clínica eles estão. Mas há um interesse deles em pré-qualificar a vacina junto à OMS, para poderem fazer uma distribuição internacional. Caberá à Anvisa fazer toda a análise dos dados e protocolos do que chama de candidata à vacina, para autorizar a pesquisa clínica em território nacional, bem como, se aprovada nos testes, a transferência de tecnologia para a produção local. “Das informações que temos disponíveis, essa vacina ainda nem está na fase 3 da pesquisa clínica. Agora, a empresa estatal russa terá que fornecer todos os dados à Anvisa, como vai fornecer para a OMS. E a Anvisa é uma das agências mais rigorosas do mundo, participa de todos os nossos protocolos. É uma garantia de que a candidata a vacina será criteriosamente analisada”, diz Mariangela Simão. 


Fonte: Gazeta do Povo