Mais cara, menos poluente: Nova gasolina será obrigatória no Brasil em agosto; entenda o que muda no carro e no bolso - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Mais cara, menos poluente: Nova gasolina será obrigatória no Brasil em agosto; entenda o que muda no carro e no bolso

Por: Elite FM
Publicado em 18/07/2020
img
Novos padrões farão octanagem da gasolina comum ser semelhante à que é registrada, hoje, na gasolina Premium-Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

A partir de 3 de agosto, a gasolina vendida nos postos de combustíveis do Brasil terá de atender a novas especificações definidas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). As exigências prometem aumentar a eficiência do combustível – mas devem provocar, também, o aumento do preço nas bombas. Do ponto de vista técnico, a alteração que será implementada pela ANP diz respeito à octanagem da gasolina. De forma simplificada, a octanagem mede a capacidade do combustível de resistir à queima dentro do motor. Se a octanagem for muito baixa, pode haver combustão espontânea do combustível, provocando danos ao sistema. Com octanagem mais alta, por outro lado, a tendência é de que o motor renda mais, o que também diminui a emissão de poluentes. O índice de octanagem é medido em uma escala de zero a 100. Hoje, de acordo com a Petrobras, a octanagem mínima da gasolina comum é de 87 unidades. Outros tipos de gasolina comercializados pela estatal, como a Premium e a Podium, têm rendimento superior, de 91 e 97 unidades, respectivamente – e, por isso, custam mais caro.Com a nova regulação da ANP, a octanagem da gasolina comum deverá ser de pelo menos 92 a partir de agosto. Em janeiro de 2022, o valor sobe para 93. Já para a gasolina Premium o mínimo passa a ser de 97 em agosto. Segundo a agência, a alteração faz com que o combustível comercializado no país tenha padrões internacionais. Essas mudanças são muito importantes, pois conferem ao combustível maior eficiência energética, melhorando a dirigibilidade e a autonomia dos veículos pela diminuição de consumo, além de viabilizar a introdução de tecnologias de motores mais eficientes, com menores níveis de consumo e emissões de poluentes.


Fonte: Gazeta do Povo