Caso Decotelli, a corrida por títulos e o Brasil que forma doutores para o desemprego - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Caso Decotelli, a corrida por títulos e o Brasil que forma doutores para o desemprego

Por: Elite FM
Publicado em 09/07/2020
img
Imagem ilustrativa.Foto: Unsplash/Gazeta do Povo

A passagem "relâmpago" de Carlos Alberto Decotelli da Silva pelo Ministério da Educação e as inconsistências curriculares por ele apresentadas, além de terem tumultuado a pasta, jogaram luz sobre dilemas envolvendo mestres e doutores Brasil afora. Como, por exemplo, a supervalorização de títulos e a dificuldade de absorção desses profissionais pelo mercado de trabalho. O ex-ministro Abraham Weintraub, em sua gestão, já havia posto o tema na mesa: "O Brasil tem doutor demais", e “doutor no Brasil” não significa competência porque nessa área, o dinheiro abre portas para os tais diplomas. O mercado saturado não é o maior dos problemas, contudo. A supervalorização de diplomas em detrimento da capacidade de atuação, de fato, dos profissionais, revela uma cultura de "falsa promessa" de ascensão social. Por isso a corrida por títulos. E como conclusão sabe-se que a economia se guia pela eficiência  de produtividade e não pela quantidade de diplomas. Currículos acadêmicos podem ser usados como martelos por detratores políticos quando isso lhes convém. “E, em um mundo informatizado, é bem mais fácil auditar a veracidade de informações curriculares", afirma Guilherme Wood, doutor em Psicologia pela Universidade de Aachen, na Alemanha. Fraudes envolvendo títulos e honrarias não são exclusividade brasileira e decorrem da fixação em sinais exteriores de status, poder e superioridade, todos eles emanados pela qualificação acadêmica. Deixou de ser racional tomar essa decisão de prosseguir estudos de pós graduação de doutorado há 10 anos, pois a realidade mostra que, no Brasil, títulos de doutorado e afins, significam muito pouco, já que a qualidade e eficiência não são correspondentes aos títulos, até facilmente conseguidos.


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm