Capacidade do Brasil de combater a corrupção piorou em 2019 - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Capacidade do Brasil de combater a corrupção piorou em 2019

Por: Elite FM
Publicado em 30/06/2020
img
Capacidade do Brasil para combater corrupção cai em 2019| Foto: CARL DE SOUZA/AFP or licensors/Gazeta do Povo

Corrupção se combate com educação: ”Os princípios de moral, ética e cidadania se instalam com a educação.”É o que revela a edição 2020 do Índice de Capacidade de Combate à Corrupção (CCC), do site Americas Quarterly, que avaliou países da América Latina numa escala de zero a 10 ao longo de 2019. Houve um declínio de 10% em sua pontuação em relação a 2019 – a maior queda entre os 15 países avaliados. Os retrocessos teriam origem nos três poderes: Executivo, Judiciário e Legislativo envolvendo crimes de colarinho branco. É o que revela a edição 2020 do Índice de Capacidade de Combate à Corrupção (CCC), do site Americas Quarterly. O Brasil caiu uma posição, ficando em 106.ª, ao lado de países como Albânia, Mongólia, Costa do Marfim, Macedônia, Argélia e Egito no ranking mundial. O motivo, segundo o Americas Quarterly, é o “perceptível declínio na independência” de órgãos de controle e decisões judiciais recentes que “impactaram negativamente nas investigações de crimes de colarinho branco”. O ex-procurador Carlos Lima destaca como retrocessos algumas decisões do Congresso, como a aprovação do projeto de lei de abuso de autoridade e as mudanças no pacote anticrime; no STF, como a proibição da prisão em segunda instância e a mudança de entendimento sobre a competência da Justiça Eleitoral para julgar casos de caixa dois. A proibição de prisão em segunda instância, inédita no mundo,permitiu liberdade a comprovados ladrões de dinheiro público, como se  seus crimes fossem apagados. O ex-procurador Carlos Lima destaca como retrocessos algumas decisões do Congresso, como a aprovação do projeto de lei de abuso de autoridade e as mudanças no pacote anticrime; no STF, como a proibição da prisão em segunda instância e a mudança de entendimento sobre a competência da Justiça Eleitoral para julgar casos de caixa dois. Além das tentativas do governo de enfraquecer a Lei de Acesso à Informação, o Congresso aprovou leis desastrosas, como a reforma que enfraqueceu ainda mais o controle dos gastos dos partidos ao mesmo tempo que aprovaram reforço de caixa bilionário para as agremiações. No campo institucional, houve um crescimento da interferência política sobre os órgãos de controle como há muito tempo não se via. A corrupção é proporcional às ações da Justiça. Quanto mais falha for a justiça, mas cresce a corrupção e chega ao ponto dos grandes ladrões considerarem que o crime compensa. Os trilhões da corrupção dos últimos anos parecem terem sumido dos processos como aconteceu com Fernando Collor que sumiu da Justiça por decurso de prazo e tantos outros no mesmo rumo. 


Fonte: Gazeta do Povo