Coronavírus no Brasil: pesquisa inicia nova etapa de testes rápidos - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Coronavírus no Brasil: pesquisa inicia nova etapa de testes rápidos

Por: Elite FM
Publicado em 23/06/2020
img
No Brasil e no mundo, corruptos “profissionais” e oportunistas têm usado as medidas de enfrentamento à pandemia como uma fonte de renda ilícita. Foto: Pixabay/Gazeta do Povo

Uma pesquisa que estima a proporção de casos de infecção por coronavírus no Brasil, chamada de EPICOVID19-BR, iniciou nova etapa com a meta de realizar 33.250 testes rápidos e entrevistas em 133 cidades de todos os estados do país. Cerca de 2,6 mil pesquisadores do Ibope Inteligência vão às ruas, de domingo à terça-feira,23 para visitar residências e convidar 250 moradores a realizar testes rápidos para o coronavírus em cada uma das cidades incluídas na pesquisa. O Estudo de Prevalência da Infecção por Covid-19 no Brasil (EPICOVID19-BR) é coordenado pela Universidade Federal de Pelotas com financiamento do Ministério da Saúde. Para o exame, os pesquisadores coletam uma gota de sangue da ponta do dedo do participante, que será analisada pelo aparelho de teste em aproximadamente 15 minutos. Enquanto aguarda o resultado, o participante responde a perguntas sobre sintomas da Covid-19 nas últimas semanas, busca por assistência médica e rotina em relação às medidas de prevenção e isolamento social. Em caso de resultado positivo, os profissionais comunicam a Vigilância Epidemiológica local. Os dados mais recentes também mostram que, para cada diagnóstico confirmado, existem ao redor de seis casos reais não notificados na população.Nas etapas anteriores, os pesquisadores registraram algumas dificuldades no trabalho de campo: não conseguiram autorização de prefeitos e secretários municipais para coletar o material em algumas cidades e ainda foram destratados por cidadãos receosos da abordagem. Nesta nova etapa, o Ibope Inteligência reforça que os pesquisadores estão identificados por crachá e utilizam os equipamentos de proteção individuais: máscaras, toucas, aventais, sapatilhas (todos descartáveis), óculos de proteção e luvas. Todos os profissionais são testados e apenas aqueles que tiverem resultado negativo realizam as visitas domiciliares. 


Fonte: Gazeta do Povo