“Como brasileiro, quero mais médico, não quero mais sociólogo, antropólogo”, diz Weintraub - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

“Como brasileiro, quero mais médico, não quero mais sociólogo, antropólogo”, diz Weintraub

Por: Elite FM
Publicado em 17/06/2020
img
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em conversa com manifestantes, neste domingo.| Foto: Reprodução / Twitt/Gazeta do Povo

Após se reunir com cerca de 15 manifestantes bolsonaristas que furaram o bloqueio na Esplanada dos Ministérios no domingo (14), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, retornou para fornecer frutas para que o grupo se alimentasse. "Querem tirar a nossa liberdade, não podemos nos locomover, não podemos mais educar a nossa família como queremos educar, não podemos falar o que a gente pensa e não podemos nem mais trabalhar. Tiraram todos os direitos do Brasil e isso não foi de uma hora para outra. Isso foi gradualmente acontecendo", disse o ministro aos manifestantes. Weintraub voltou a dizer que há um movimento para calar a "liberdade de expressão" dos manifestantes bolsonaristas."A liberdade de expressão é a primeira coisa que temos que defender. Se eles nos calarem, eles vão escravizar todo mundo nesse País", completou. "O dinheiro das universidades não brota da terra, vem do imposto. Quando a gente compra pão, gasolina, linha celular, vem imposto e esse imposto é usado para pagar o salário de professor, de técnico, bolsa, alimentação, tudo isso. Eu, como brasileiro, quero ter mais médicos, mais enfermeiros, mais engenheiros, mais dentistas. Eu não quero mais sociólogo, antropólogo, filósofo, com o meu dinheiro. O dinheiro que eu pago imposto eu quero mais médico, mais enfermeiro. Se o cara quer fazer filosofia, vai fazer com o dinheiro dele", acrescentou. Na verdade, as universidades brasileiras têm um gasto igual ou maior que as universidades de países de primeiro mundo, sendo o custo por universitário cerca de R$ 50 mil por ano e o retorno para o país é pífio. Pouquíssimas patentes são provenientes das pesquisas universitárias bem como são raros os artigos científicos eficientes dessas universidades publicados na esfera internacional. 


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm