Como o PIB brasileiro se comportou desde 1901 – e o que se espera para o “ano do vírus” - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Como o PIB brasileiro se comportou desde 1901 – e o que se espera para o “ano do vírus”

Por: Elite FM
Publicado em 09/05/2020

As previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020 vêm se deteriorando desde que o novo coronavírus começou a se espalhar pelo país. E se aproximam do pior desempenho para um único ano em mais de um século. No ano passado, a equipe do ministro Paulo Guedes projetava crescimento de 2,4% para a economia brasileira em 2020. Depois, a estimativa foi revisada para 2,1%. Com a chegada da Covid-19, o Ministério da Economia passou a ser mais pessimista e, na projeção oficial, aponta para estagnação da atividade, com PIB de 0,02%. Mas o próprio ministro Paulo Guedes admite que haverá recessão. "Se antes prevíamos -6%, sendo 2% externos, agora estimamos que vamos cair só 4%", disse ele na quinta (30/4) em audiência pública na Comissão Mista de acompanhamento de medidas contra a Covid-19, do Congresso Nacional. O mercado vem ajustando suas previsões há algumas semanas. Segundo o último boletim Focus, do Banco Central, com dados coletados em 24 de abril, o mercado financeiro prevê retração de 3,34% para a economia brasileira em 2020, conforme a mediana das projeções. Dentre 85 instituições que registraram suas projeções no Focus, a mais otimista prevê queda de 1,04% para o PIB deste ano. A mais pessimista aposta -6%.Instituições estrangeiras como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estão no lado mais negativo, com projeções de -5% e -5,3%, respectivamente. A agência de rating Moody's prevê contração de 5,2%, enquanto seu braço de consultoria, a Moody's Analytics, fala em -6%. O banco Morgan Stanley projeta queda de 5,1% e o UBS, de 5,5%. Se essas últimas previsões se concretizarem, o país terá seu pior desempenho econômico em 120 anos. O atual recorde negativo pertence ao ano de 1990, o primeiro do governo de Fernando Collor, quando a economia encolheu 4,35% sob o impacto do confisco da poupança. Mais recentemente, o país atravessou uma recessão profunda, mas que não se concentrou em apenas um ano. Em 2015 e 2016, o PIB caiu 3,55% e 3,28%, respectivamente, acumulando contração de 6,71% no período. 


Fonte: Gazeta do Povo