O último dos “superministros”: qual o destino de Guedes e da economia após a saída de Moro - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

O último dos “superministros”: qual o destino de Guedes e da economia após a saída de Moro

Por: Elite FM
Publicado em 28/04/2020
img
Foto:Isac Nobrega

Governo revela que  Guedes  é quem decide sobre economia.A saída de Sergio Moro do governo Bolsonaro aumentou a pressão sobre o ministro da Economia, Paulo Guedes, o último remanescente entre os chamados "superministros". A avaliação do mercado financeiro é de que o presidente derrubou o primeiro dos dois pilares de credibilidade do governo. O Planalto anunciou o programa Pró-Brasil sem a anuência e a presença de representantes do Ministério da Economia, mas se tratava apenas de linhas gerais e o presidente Bolsonaro, na segunda-feira 27, disse que tal projeto seria implementado por  Guedes, o que revela que continua sendo prestigiado pelo governo. O projeto prevê, em uma de suas frentes, um plano de retomada da economia com a injeção de dinheiro público em obras de infraestrutura. Já Guedes e sua equipe defendem a retomada via setor privado, com a aceleração de privatizações e concessões e a manutenção da agenda de reformas estruturantes. O mercado teria ficado meio incomodado com o fato de o ministro não estar presente e soou como uma possibilidade de estarem enfraquecendo a imagem do Guedes, mas na segunda-feira, 27,Guedes recebeu todo o apoio do governo. A saída de Moro fez com que toda equipe demonstrasse uma nova versão administrativa com uniformidade de atitudes. Moro era um dos guardiões da moralidade, um dos pilares 'imexíveis' desse governo. Então se ele revela que o presidente queria intervir na PF, criaria um ambiente muito frágil. Sem dúvida, o legado de Sérgio Moro está na bandeira levantada contra a corrupção considerada  uma das maiores do mundo em termos de administração pública que através da Lava Jato chegou a ser elucidado o nefasto caminho da roubalheira até institucionalizada por  Lula em propinas que detonaram a Petrobras.

 


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm