Sergio Moro, exclusivo: “Não devemos antecipar o caos na segurança”" - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Sergio Moro, exclusivo: “Não devemos antecipar o caos na segurança”"

Por: Elite FM
Publicado em 16/04/2020
img
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ainda é cedo para se falar em consequências do isolamento social para combater o coronavírus na segurança pública.  O ministro falou sobre as principais medidas tomadas pela pasta para auxiliar no enfrentamento à pandemia no Brasil e disse considerar “legítima” a preocupação do presidente Jair Bolsonaro  com e economia. “Acho que não devemos antecipar o caos, porque o caos não necessariamente vai ocorrer”, disse Moro sobre possíveis atos de vandalismo e saques como consequência da quarentena. “Todas as medidas necessárias a preservação da ordem pública e da segurança têm sido tomadas pelo governo federal, pelos governos dos estados e até mesmo pelos governos municipais. Estamos tentando trabalhar em conjunto para que esses piores cenários não aconteçam, ou se acontecerem, estejamos preparados. Mas eu não acho salutar ficar antecipando probabilidades quando não se tem isso como provável”, completou Moro.Moro evitou comentar as divergências entre Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas disse considerar “legítima” a preocupação do presidente com a economia durante a pandemia. “O isolamento tem que ser o necessário para impedir a disseminação do coronavírus. Existe uma preocupação legítima do presidente com a questão de renda, de empregos. Não e PIB, não é percentual do PIB crescendo, é a questão da vida das pessoas. Agora, do outro lado existe a questão da saúde, que é fundamental. E essas medidas de isolamento têm sido adotadas para impedir a disseminação dessa epidemia. A grande questão é qual o grau de isolamento necessário”, defendeu Moro. "Em especial, que tem se destacado no mundo inteiro, é um provável crescimento do crime cibernético”, disse. Moro ressaltou que trabalha junto com o Ministério da Cidadania e com a Caixa Econômica Federal para evitar fraudes nos programas de benefícios econômicos concedidos pelo governo federal, como o auxílio emergencial para informais.


Fonte: Gazeta do Povo