A razão acima de tudo, o saber acima de todos: reflexões sobre a pandemia - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

A razão acima de tudo, o saber acima de todos: reflexões sobre a pandemia

Por: Elite FM
Publicado em 13/04/2020
img
Foto:Bigstock/Gazeta do Povo

   A pandemia de coronavírus fez surgir reflexões interessantes sobre as lições que nós podemos aprender com a crise. Três pontos chamaram a atenção até o momento: a união dos diferentes povos contra a ameaça comum, a força das redes sociais na mobilização das pessoas e, por fim, o confronto entre a visão científica e a ideológica sobre como lidar com o problema. Unidos pelo inimigo comum. Confrontadas com um vírus que ataca o sistema respiratório, com grau preocupante de letalidade, as pessoas reagiram de maneira coordenada e única na história, rapidamente revendo as suas prioridades. A OMS coordenou as informações sobre a doença e suas consequências e os esforços por interromper os surtos ganharam proeminência nas metrópoles mundiais. O autoisolamento e a quarentena (voluntário e obrigatória, respectivamente) são esforços nunca vistos em escala global. Como já se sabe, não há vacina contra o coronavírus e o tratamento é sintomático e experimental. Os gargalos nos sistemas de saúde que até então eram desconhecidos da população em geral – dos quais a situação dramática de Bergamo é símbolo – tornaram-se evidentes e a disseminação rápida do vírus por vários continentes mostrou que a resposta mais eficaz para evitar um número maior de mortes era um esforço conjunto da população em adotar o distanciamento social. "Isolados como nunca, conectados como sempre. O isolamento maciço de milhões de pessoas em suas casas não foi obtido pelos governos, e sim pelo Facebook, Instagram, Twitter e WhatsApp. Foi pelas redes sociais que a cobertura da mídia se proliferou, foi pela internet que a reação em cadeia do distanciamento social foi se espalhando das áreas mais atingidas pela doença para as áreas ainda sem surto. O que os governantes fizeram foi seguir a opinião pública, em vez de guiá-la. Nós podemos estar diante de um movimento democrático muito mais profundo do que pode parecer à primeira vista.