Diferenças regionais e sociais devem ser levadas em conta em caso de quarentena - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Diferenças regionais e sociais devem ser levadas em conta em caso de quarentena

Por: Elite FM
Publicado em 27/03/2020
img
Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil/Gazeta do Povo

 O poder Executivo tem autoridade para decretar uma quarentena quando quiser, mas o presidente Jair Bolsonaro já demonstrou em discurso que não endossa essa estratégia. Já o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que é preciso muita cautela por estar em jogo a economia nacional que não pode parar. A maioria dos especialistas em epidemiologia diz que a situação de expansão do contágio por coronavírus no Brasil já respalda uma decisão nesse sentido, mas pondera que a decretação de uma quarentena nacional é um assunto que envolve questões sociais e políticas que não podem ser ignoradas nessa decisão. Rogério Baptistini, sociólogo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, lembra que estamos em “um país em que boa parte dos cidadãos vivem em condições precárias e não têm as estruturas mínimas para se manter em isolamento. Ivan França, infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, afirma que “não existe um número mágico” de pessoas doentes para embasar o estabelecimento de uma quarentena nacional. Ele destaca que é necessário levar em conta as grandes diferenças entre as metrópoles e os municípios do interior do Brasil antes de decretar uma quarentena. S.Paulo e Rio de Janeiro são casos especiais e não é a  mesma situação em outros lugares. Há pessoas que dependem da cidade vizinha para tudo.” Em cidades e estados que têm poucos casos, é necessário pesar os riscos e benefícios de se fazer uma ação como essa.Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fiocruz, lembra que “o Brasil é um país continental” e que “as medidas podem ser diferenciadas de uma região para outra”. No caso de metrópoles, o contágio é mais fácil, e a quarentena é uma medida mais necessária, mas pondera que, neste momento, “não é viável fechar um país como o Brasil, com uma dimensão continental. O remédio para algumas cidades pode ser o veneno para tantas outras.

 


Fonte: Gazeta do Povo