Salários, castas, aposentadoria e mais: 7 pontos que retratam o funcionalismo no Brasil - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Salários, castas, aposentadoria e mais: 7 pontos que retratam o funcionalismo no Brasil

Por: Elite FM
Publicado em 16/02/2020
img
Servidores públicos federais, em protesto em 2015, em Brasília- Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil/Gazeta do Povo

 A comparação dos servidores públicos a “parasitas” que estão matando o “hospedeiro”, feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prejudicou o caminho a ser trilhado pela reforma administrativa do governo federal,(mas todos sabem que há parasitas no funcionalismo e a verdade doi para os atingigos). As mudanças no regime de trabalho e remuneração de funcionários públicos fazem parte do ajuste fiscal e é a medida que falta para encaminhar o reequilíbrio das contas públicas (recheadas de penduricalhos e benesses absurdas). O setor público tem de prestar bons serviços, o que implica ter funcionários qualificados. Por outro lado, os servidores formam uma capaz de dificultar ou mesmo impedir mudanças na lei. Independentemente de qual proposta vai avançar, algumas coisas são certas: o projeto será polêmico, haverá resistência e desidratações e a discussão é cheia de nuances. Sete pontos que ajudam a entender o panorama do serviço público no Brasil. 1. Salário dos servidores públicos 96% maiores que os pagos a trabalhadores da iniciativa privada em funções semelhantes. É a maior diferença entre 53 países. 2.  300 carreiras diferentes com 117 tabelas de progressão salarial. 3. Estabilidade sem avaliação de desempenho, quase impossível a demissão. 4. Bônus de produtividade para aposentados, um absurdo para quem já não trabalha. Um gasto mensal de R$ 700 milhões. 5. O tamanho do gasto público com pessoal, 20% das despesas da União. 6. Servidor público não é tudo igual, há muitas castas. 7. Aposentadoria antes e depois da reforma da Previdência por causa das generosas aposentadorias no sistema. Fica claro que Paulo Guedes tem razão e zelar pelo dinheiro público, porque 20% de todas as despesas do país  é para pagar funcionários. Servidores exigem respeito, mas os contribuintes exigem produtividade.


Fonte: Gazeta do Povo