Como o governo perdeu R$ 9 bilhões com empresas estatais em um ano - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Como o governo perdeu R$ 9 bilhões com empresas estatais em um ano

Por: Elite FM
Publicado em 13/02/2020
img
Ministro da Economia, Paulo Guedes- Governo Bolsonaro mais gastou do que arrecadou com estatais em 2019. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil/EBC

No primeiro ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro, o governo federal acabou ficando no “prejuízo” quando o assunto é a manutenção das estatais. O Tesouro Nacional gastou R$ 30,1 bilhões no ano passado com suas empresas, e recebeu em troca R$ 20,9 bilhões na forma de dividendos (parcela do lucro que é dividida com os acionistas) e participações. Com isso, o saldo ficou negativo em R$ 9,2 bilhões. O dinheiro gasto com as estatais no ano passado inclui o repasse para as estatais dependentes e para as não-dependentes. No caso das dependentes, o Tesouro repassou R$ 20,03 bilhões para manter as 18 empresas públicas federais que não geram receita suficiente para bancar suas despesas e, por isso, recebem anualmente dinheiro do governo para pagar suas contas. No caso das estatais não-dependentes, ou seja, que não precisam receber socorro, mas que podem, eventualmente, receber dinheiro da União – na forma de aumento de capital – para fazer investimentos, os aportes chegaram a R$ 10,1 bilhões em 2019, segundo informou o Tesouro Nacional. Quase todo esse valor foi pago a três estatais: Emgepron, que recebeu R$ 7,6 bilhões; Infraero, com R$ 1,5 bilhão; e Telebras, R$ 1 bilhão. Há, ainda, algumas estatais independentes, em especial as companhias de docas (que administram portos), que receberam alguns poucos milhões em 2019.Para este ano, a promessa é mudar o cenário. Está prevista a privatização de pelo menos três estatais: ABGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias), EMGEA (Empresa Gestora de Ativos) e Casa da Moeda. As três no segundo semestre. A equipe econômica quer privatizar, ainda em 2020, a Eletrobras, mas depende da autorização do Congresso.


Fonte: Gazeta do Povo