De abstinência sexual a ação em escolas: 5 mitos sobre a campanha de Damares - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

De abstinência sexual a ação em escolas: 5 mitos sobre a campanha de Damares

Por: Elite FM
Publicado em 09/02/2020
img
Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, lançam a Campanha Nacional de Prevenção à Gravidez na Adolescência- Foto: Valter Campanato/Agência Brasil/Gazeta do Povo

De abstinência sexual ao descarte de métodos contraceptivos como o preservativo e o dispositivo intrauterino (DIU). Essas são algumas das narrativas que circundam o debate sobre a nova campanha de prevenção à gravidez precoce, "Tudo tem seu tempo: adolescência primeiro, gravidez depois", lançada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) em parceria com o Ministério da Saúde.A proposta, na verdade, não prega a abstinência sexual ou descarta métodos contraceptivos. Tampouco é voltada para adultos. Rebatendo críticas, a ministra Damares Alves defendeu que a proposta não tem teor moral e o objetivo é apenas induzir adolescentes à reflexão sobre os perigos da gravidez precoce.A proposta não recomenda, explicitamente, a abstinência sexual aos adolescentes, como vinha sendo polemizado. As duas pastas, que, em esforço conjunto, comandam a ação, afirmaram que se trata de uma campanha com o objetivo de reduzir os altos índices de gravidez precoce no país.Em nenhum momento da apresentação ou nos conteúdos publicitários, usou-se o termo "abstinência sexual", embora Damares tenha dado indícios de que, em um futuro breve, poderão ser elaboradas outras ações para que o jovem não se sinta obrigado a fazer sexo por pressão social. "Nós vamos falar sobre retardar o início da relação sexual. Trazer todo o bojo de métodos preventivos que já existem e também o 'reflita, pense duas vezes'", disse ela.Questionado, o titular da pasta de Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que, embora o estímulo ao adiamento do início da atividade sexual entre adolescentes não seja o foco da campanha, indiretamente ela poderá incentivar "comportamentos mais responsáveis"."Acho que ela vai motivar. Quando fala 'adolescência primeiro, gravidez depois', e fala das consequências, ela vai motivar uma série de debates. Um dos debates que vai ter é, sim, 'eu me reservo o direito de ter atividade no momento em que achar melhor'", disse. "Se você quiser entender isso como abstinência, eu não entendo como abstinência. Eu entendo como comportamento mais responsável.


Fonte: Gazeta do Povo