Fetiche da peste: o coronavírus e o desejo de “purificação” da Humanidade - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Fetiche da peste: o coronavírus e o desejo de “purificação” da Humanidade

Por: Elite FM
Publicado em 03/02/2020
img
O pânico, que ainda não encontra justificativa nos números, dá vazão a uma versão contemporânea do mito diluviano que eliminará os maus e redimirá os bons. Foto: AFP/Gazeta do Povo

Nos últimos dias, fomos bombardeados por notícias sobre ocoronavírus. E expôs, pela segunda vez neste ano, o desejo mal contido de algumas pessoas verem a Humanidade “purificada”.É o que chamo de “fetiche da peste”. Ele se revela de tempos em tempos, sempre que alguma doença surge em algum ponto remoto do planeta, matando algumas dezenas e até centenas de pessoas em poucos dias ou meses, para depois desaparecer. Foi assim com a epidemia de AIDS, do ebola, da vaca louca, com o H1N1 e com a Saars. Está sendo assim com o coronavírus. Os números são do governo comunista chinês e há razões de sobra para não se confiar nesse tipo de estatística. O fetiche da peste exibe seu lado mais perverso ao expressar um desejo mal contido por um “milagre às avessas” qualquer capaz de “purificar” a Humanidade, de eliminar os maus, de criar uma espécie de “caos virtuoso” a partir do qual surgirá uma ordem igualmente virtuosa e na qual os bons reinarão redimidos.Trata-se de uma fantasia antiga – tão antiga quanto a própria história. Está lá a narrativa bíblica do Dilúvio que não me deixa mentir. E há versões semelhantes na mitologia chinesa, grega, hindu, nórdica, maia, africana e até aborígene.O coronavírus vai passar. Mas, daqui a alguns anos, outra doença, ameaça de guerra ou até um desses meteoros que costumam “passar perto”da Terra surgirá, despertando novamente o pânico algo cínico que, por trás de uma máscara e besuntado em álcool em gel, esconde essas fantasias sombrias de purificação do ser humano.Resta-nos torcer para que neste caso, como agora e sempre, estejamos bem protegidos dentro da caótica arca.


Fonte: Paulo Polzonoff Jr.Gazeta do Povo