Fundão da vergonha: o fundo eleitoral é um ato de extorsão contra o Brasil - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Fundão da vergonha: o fundo eleitoral é um ato de extorsão contra o Brasil

Por: Elite FM
Publicado em 31/01/2020
img
Fundão da vergonha: o fundo eleitoral é um ato de extorsão contra o Brasil- Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado

O Brasil é um país que requer paciência. Nada vai na rapidez em que deveria ir. Nada vai até onde deveria chegar. Nada vai na hora em que deveria ter ido. Quase tudo, além disso, vai na base do “um passo para trás” a cada passo e meio para a frente. Em suma: o Brasil é demorado. Isso não quer dizer, porém, que nada ande. Anda, mas anda devagar – e quase sempre é preciso prestar muita atenção para se perceber que alguma coisa está realmente andando, porque os movimentos para adiante em geral são feitos em silêncio. É o caso do recente avanço na eliminação da propaganda partidária “gratuita” no rádio e televisão – na verdade, propaganda obrigatória, que os partidos forçavam a população a engolir, querendo ou não querendo. Essa vigarice nunca teve nada de gratuita – os cofres públicos eram obrigados a ressarcir as emissoras de rádio e tevê pelo tempo desperdiçado com os políticos. A conta, que ficava entre R$ 450 milhões e R$ 500 milhões por ano, tinha sido liquidada pelo atual governo. O presidente Jair Bolsonaro vetou esse dispositivo mas a Câmara dos Deputados derrubou o veto presidencial. As gangues que no Brasil têm o nome de “partidos” já iam levar mais essa – só que não levaram. É o tal passo e meio adiante do qual se falou acima. O Senado Federal, no início do ano e por apenas dois votos de diferença, manteve o veto do presidente. Mais: manteve, também, a proibição para os políticos usarem os “fundos da vergonha” para pagarem multas e os advogados que contratam para defendê-los dos delitos que cometem. Pouca gente notou – foi mais um avanço que se obteve em silêncio. Tudo bem: o que interessa é o avanço conseguido. ”Fundo Partidário é o dinheiro mais mal gasto no Brasil, pois favorece a perpetuação do poder, sem a salutar mudança das cadeiras para eliminar as velhas raposas da política nacional”.Voto não tem cabresto e candidato que presta se impõe pela competência.


Fonte: j J.R.Guzzo - Gazeta do Povo