Como e quando ocorrem os acidentes com mortes nas rodovias do Paraná - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Como e quando ocorrem os acidentes com mortes nas rodovias do Paraná

Por: Elite FM
Publicado em 27/01/2020
img
Foto: Divulgação/PRF/Gazeta do Povo

O Paraná teve 500 mortes nas estradas em 2019, segundo balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF) - seis a mais do que em 2018. Os dados desse levantamento mostram o perfil dos acidentes fatais no estado. A maior parte dos óbitos ocorreu com pista seca (82,4%), em trechos de reta (65,4%) e no período noturno (64,5%). Em geral, os dias mais perigosos foram nos fins de semana - o período entre sexta-feira e domingo representou 52,2% das mortes nas rodovias.Colisões frontais (24,8%) e atropelamentos (24,6%) foram as principais causas de morte em 2019 nos 3,9 mil quilômetros de estradas fiscalizadas pela PRF no Paraná. Juntas, as duas situações representam praticamente metade de todos os casos fatais do ano passado. As estatísticas coletadas pela instituição nos atendimentos permitem ainda presumir as origens dos graves acidentes. Embora os casos de motoristas flagrados dirigindo sob o efeito de bebidas alcoólicas tenha subido em relação ao ano anterior - de 3.858 para 4.216 -, a principal causa provável anotada é a distração dos condutores. A falta de atenção ao volante representou 21% dos casos com mortes, seguida pela falta de atenção do pedestre, 17,2%.O álcool é a sexta maior causa, com 4,6% (veja a relação completa).Embora as 500 mortes apresentem um ligeiro aumento em relação a 2018 - seis a mais, apenas -, o número é o segundo melhor da década.Em 2012, pior ano nas estatísticas, 855 pessoas perderam a vida nas rodovias paranaenses. De acordo com os dados, os horários de maior perigo foram entre o fim da tarde e o início da noite. O porcentual de casos por horário varia de 2% a 4% entre a 0 h e as 17 h. O salto ocorre às 18 horas, quando ocorreram 8,4% dos casos de morte. O pico, porém, é na hora seguinte (19 h), período em que ocorreram 11% dos casos. Às 20 horas, esse porcentual cai para 6,4%, ficando na casa de 5% entre 21h e 23h.


Fonte: Gazeta do Povo