Brasil aberto: o que esperar da entrada dos estrangeiros nas vendas do governo - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Brasil aberto: o que esperar da entrada dos estrangeiros nas vendas do governo

Por: Elite FM
Publicado em 26/01/2020
img
O ministro da Economia, Paulo Guedes-Foto: Agência Brasil/Gazeta do Povo

O governo brasileiro vai solicitar formalmente a adesão ao Acordo de Compras Governamentais (GPA, na sigla em inglês), da Organização Mundial do Comércio (OMC). A afirmação foi feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A adesão ao acordo vai permitir que estrangeiros participem de licitações e concorrências públicas no Brasil em pé de igualdade com as empresas nacionais, ao mesmo tempo em que autoriza que as companhias brasileiras tenham acesso a licitações públicas de outros países. O anúncio foi feito pelo ministro em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial. Segundo Guedes, os principais objetivos da adesão são alinhar o país às melhores práticas internacionais de compras governamentais, aumentar a concorrência e fazer um ataque frontal à corrupção, já que muitos casos de corrupção recente aconteceram na contratação de fornecedores para órgãos públicos.“O Brasil está querendo entrar para a primeira divisão de melhores práticas. Isso é um ataque frontal à corrupção e um tema importante da campanha do presidente Bolsonaro. E nós sabemos que boa parte da corrupção foi permitida exatamente com coisas de governo: empreiteiras, obras governamentais, coisas desse tipo”, disse a jornalistas em Davos, antes de participar de dois painéis do fórum . "Quando o governo brasileiro vier de fato a aderir ao acordo, as empresas dos países que participam dele vão poder concorrer em isonomia com as empresas nacionais nas licitações de órgãos públicos brasileiros. Em geral, não deverá mais haver políticas locais discriminatórias à participação de estrangeiros em licitações, salvo os casos que forem excetuados no acordo. Em troca, as empresas brasileiras também poderão concorrer mais facilmente a processos licitatórios dos países que fazem parte do acordo de compras governamentais.(GP)


Fonte: Gazeta do Povo