Paulo Freire um energúmeno? Antes fosse… - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Paulo Freire um energúmeno? Antes fosse…

Por: Elite FM
Publicado em 19/12/2019
img
Paulo Freire-Foto: Wikipédia

O presidente Jair Bolsonaro criticou a gestão anterior da TV Escola, feita pela Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), cujo contrato não foi renovado pelo Ministério da Educação (MEC). Ele também chamou Paulo Freire de "energúmeno"."Queriam renovar o contrato da TV Escola, R$ 350 milhões, dinheiro jogado fora", disse Bolsonaro. "Você conhece a programação da TV Escola? Deseduca", continuou. O presidente acrescentou ainda que a antiga programação da TV Escola era "totalmente de esquerda" e promovia a ideologia de gênero: "Era uma programação totalmente de esquerda, ideologia de gênero, dinheiro público para ideologia de gênero. Então, tem que mudar. Reflexo, daqui a cinco, 10, 15 anos vai ter reflexo. Os caras estão há 30 anos [no ministério], tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire, esse energúmeno, ídolo da esquerda ".O economista, Rodrigo Constantino acha ótimo o presidente tomar o partido do ministro Weintraub nesse caso, até porque ele estava sendo fritado por gente de dentro, bolsonarista, próxima de Olavo de Carvalho. Tudo indica que era porque o ministro fechou essa torneira, que irrigava os cofres da turma. “Sobre Paulo Freire ser um energúmeno, quem me dera! Eu acho que era um embusteiro mesmo, e um inteligente, deliberadamente obscuro e "enigmático", embromador, comunista, adorador de tiranos, e por isso fez um terrível mal ao Brasil. Seria melhor se fosse apenas um idiota...Como não faço acusações vazias, vamos aos fatos. Aqui a gente mata a cobra e mostra o pau. É Freire, sem dúvida, o maior responsável pelo sucesso da estratégia gramsciana que disseminou a mentalidade esquerdista por todo o sistema educacional. Seu grande “mérito” foi justamente esse: transferir para as escolas a velha "luta de classes" marxista, que enxerga apenas "oprimidos" e "opressores" em tudo que é lado. Os alunos deixam de ser apenas alunos, com diferentes características, entre elas a classe social, e passam a ser representantes ou da classe dominante ou da oprimida, num sistema binário, simplista e equivocado. Exatamente da forma com a qual o marxismo destruiu o indivíduo, que passa a ser ou patrão explorador, ou empregado explorado, deixando de lado toda a real complexidade da vida. Contra o “fatalismo pragmático” dos “neoliberais”, Freire oferecia a “conscientização”, ou seja, os professores deveriam mostrar as “injustiças” do sistema capitalista, da globalização, conscientizando os alunos da necessidade de luta, de revolta contra os ricos, já que, para ele, a riqueza era fruto da exploração da pobreza, era uma “agressão” contra os desvalidos. É uma lástima que o meio católico se tenha deixado contagiar por esse mestre equívoco da pedagogia que é Paulo Freire e por essa falsa elaboração que chama educação libertadora. Na verdade, ela nada tem de libertadora, como nada tem de pedagogia. É uma campanha política, de fundo marxista, isto é, fundada no dogma da luta de classes e na divisão da humanidade entre opressores e oprimidos.


Fonte: Rodrigo Constantino- Economista da PUC