Ensino médio público continua estagnado no Brasil. Menos em Goiás. Entenda por quê - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Ensino médio público continua estagnado no Brasil. Menos em Goiás. Entenda por quê

Por: Elite FM
Publicado em 18/12/2019
img
Educação em Goiás deu um salto nos últimos dez anos|- Foto: Soraia Sakamoto/ Gazeta do Povo

O que faz um estado saltar, em dez anos, de 16.º para o primeiro lugar no ranking dos melhores ensinos médios do Brasil? Esse foi o feito alcançado por Goiás entre 2007 e 2017. Nesse período, a nota do Ideb do ensino médio estadual goiano saltou de 2,8 para 4,3 – um aumento de 1,5 ponto, enquanto que a média do Brasil variou, neste mesmo período, apenas 0,3 ponto, de 3,2 para 3,5. Essa melhora expressiva garantiu uma mudança drástica na posição entre todas as unidades da federação. Outros estados também avançaram, mas nenhum alcançou a velocidade de evolução dos goianos. Qual o segredo do estado? O Ideb é calculado a partir da taxa de rendimento escolar (em outras palavras, o percentual de aprovação, obtido a partir do Censo Escolar) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Inep, em especial a Prova Brasil e o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), aplicado a cada dois anos. Avalia, portanto, as notas dos alunos, mas também as taxas de reprovação e repetência. Para alcançar bons resultados, Goiás agiu, em primeiro lugar, em duas frentes: desempenho e frequência. E, depois, também no aumento do número de escolas militares: das 615 unidades de ensino médio, hoje 53 são administradas por militares, com professores civis e ingresso dos estudantes por meio de sorteio. A disciplina e o desempenho acadêmico dos alunos atraem a atenção dos pais, que formam filas de espera para colocar seus filhos nestas escolas. O estado apostou no salário e na atratividade de professores, para garantir melhores notas nas provas. No restante do Brasil não houve evolução e sim estagnação o que vale dizer ineficácia na educação no ensino médio público.E a maioria desses alunos concluem o  ensino médio e não sabem ler, interpretar e redigir um texto com  lógica e senso crítico. 


Fonte: Gazeta do Povo