Especialista aponta o impacto do atual governo para a economia brasileira - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Especialista aponta o impacto do atual governo para a economia brasileira

Por: Elite FM
Publicado em 01/12/2019
img
Imagem:https://oatlantico.com.br/

Um dos assuntos mais comentados do momento é o que o atual governo tem feito para destravar a economia e melhorar a situação econômica do Brasil. O advogado tributarista e especialista Eliézer Marins aponta que os impactos da nova política econômica já podem ser sentidos: “os resultados ainda são pequenos, mas já podemos perceber o impacto positivo que o projeto Neoliberalista do atual governo está trazendo para nossa economia. O impacto positivo pode ser percebido na confiança dos investidores e do mercado financeiro. Eliézer elenca quais seriam os principais impactos positivos na economia. Confira: Projeto Neoliberalista alinhado às expectativas do mercado. O Neoliberalismo pode ser definido como um conjunto de ideias políticas e econômicas que tem como característica a não intervenção do governo nas questões econômicas. Dessa forma, entender o Neoliberalismo é o primeiro passo para assimilar as ações do atual governo e como os projetos apresentados procuram fortalecer a economia brasileira. Destacam-se: Aprovação da Reforma da Previdência. Reforma tributária poderá simplificar impostos. Acordos comerciais. Nos últimos meses tivemos notícias de diversos acordos com os Estados Unidos, Argentina, China, União Europeia, México, entre outras potências econômicas e países emergentes. - Menos impostos;- Mais geração de empregos;- Mais renda nas mãos dos brasileiros;- Menos interferência do estado;- Redução da dívida pública. Destacam-se também os leilões do pré-sal, as concessões e a privatização de empresas estatais como medidas importantes para melhorar a economia. Todas essas medidas tomadas pelo atual governo de Jair Bolsonaro e sua equipe econômica visam recuperar a confiança de investidores em relação ao Brasil e facilitar as relações comerciais. 


Fonte: Fabiano de Abreu