Negócio criado com R$ 30 já gerou renda e autonomia para quase 500 pessoas no PR - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Negócio criado com R$ 30 já gerou renda e autonomia para quase 500 pessoas no PR

Por: Elite FM
Publicado em 01/12/2019
img
Ariane Santos em meio aos badulaques da Badu Design, que são confeccionados num modelo de economia solidária-Divulgação/Gazeta do Povo

Em 2013, Ariane Santos tinha perdido a avó, estava sem emprego e com quadro de depressão. Com apenas R$ 30,00no bolso, teve a ideia que mudou sua vida: transformar um hobby em negócio. Ariane sempre teve aptidão para customizar agendas e cadernos. Era conhecida na faculdade por personalizar o próprio material e presentear os colegas com itens feitos a mão. Os amigos se referiam aos objetos como “badulaques”, apelido de onde, anos depois, surgiu a Badu Design.A empresa começou de forma bastante informal. Ariane customizou agendas e levou-as para uma papelaria. Os produtos foram rapidamente vendidos, e o negócio começava a decolar. A empreendedora foi selecionada para um projeto do Sebrae e não parou mais." Quando os pedidos começaram a aumentar, Ariane percebeu que poderia ajudar outras mulheres a ter renda. Foi, então, que uma rede de capacitação começou a se formar: mulheres eram incentivadas a aprender sobre design e artesanato para conquistar autonomia. O negócio deu tão certo que, até agora, mais de 480 mulheres receberam capacitação em 20 municípios paranaenses. Para o ano que vem, os planos são de expansão. A Badu deve chegar a São Paulo e Rio de Janeiro. Ariane viu na prática como o engajamento traz resultados. Hoje ela compartilha aprendizado com o Instituto Sivis, que atua na capital paranaense com o objetivo de fortalecer a democracia e gerar impacto social. Ela é uma das personalidades que contribuiu para produção do documento Agenda Comum, que aponta estratégias para aumentar o engajamento e a colaboração dentro da comunidade. A publicação é uma das contribuições trazidas pelo programa Cidade Modelo. "Para a empreendedora, o grande motivo de orgulho é poder ter uma empresa rentável que ajuda no crescimento de outras pessoas. “É um negócio de impacto, que também é business e que pode ser próspero. É um negócio social”, conclui.


Fonte: Gazeta do Povo