Escalada autoritária de Toffoli gera revolta - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Escalada autoritária de Toffoli gera revolta

Por: Elite FM
Publicado em 17/11/2019
img
Dias Toffoli-Seu voto de

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), passou a ver dados sigilosos de quase 600 mil pessoas, incluindo empresários e autoridades brasileiras. O Banco Central liberou o acesso depois que ele pediu cópia de todos os relatórios de inteligência financeira produzidos pelo antigo Coaf durante os últimos três anos. A justificativa de Toffoli é bizarra: entender o procedimento de elaboração e tramitação das informações. A Procuradoria-Geral da República estuda medidas contra a determinação. Vai mesmo toma-las? A atitude de Toffoli produziu muita revolta, não exatamente da militância bolsonarista. Esta está bem mais focada em pedir o impeachment de Gilmar Mendes, poupando o presidente do Supremo e ex-advogado do PT, com base na "estratégia" de derrubar um de cada vez. Mas a explicação soa pouco convincente. Felipe Moura Brasil, da Jovem Pan, comentou: "Escalada autoritária de Dias Toffoli – parceiro de Gilmar Mendes na blindagem de políticos de esquerda, centro e direita, além dos próprios ministros – turbinou-se com a complacência de AGU e PGR escolhidos por Jair Bolsonaro, bem como da direita flaviana. "Modesto Carvalhosa, que tem sido uma vez firme contra os abusos do Supremo, manifestou-se também, indignado com a decisão e cobrando resposta da PGR. Roberto Freire, incrédulo, disse que o caso seria inaudito e escandaloso sendo mesmo verdade. "A postura de Dias Toffoli é simplesmente inaceitável. Seu voto de "minerva" na decisão que culminou na soltura de inúmeros bandidos, entre eles Lula e Dirceu, seu antigo chefe, foi patética, totalmente política, sem fundamento jurídico (o que não quer dizer que não existam bons argumentos jurídicos para a decisão). Seu inquérito contra Fake News e ameaças ao STF é arbitrário, ilegal, abusivo. Até quando a sociedade vai aceitar esse escárnio? 


Fonte: Rodrigo Constantino – Gazeta do Povo