Prioridade número um do governo após Previdência é PEC que corta gasto com servidores - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Prioridade número um do governo após Previdência é PEC que corta gasto com servidores

Por: Elite FM
Publicado em 25/10/2019
img
O ministro da Economia, Paulo Guedes/ Fopto: Fábio Rodrigues Pozzebom Agência Brasil

Virada a página da reforma da Previdência, a equipe econômica vai concentrar os esforços, nos próximos dois meses, para conseguir, pelo menos, a aprovação até o final do ano da proposta de emenda à Constituição (PEC) para cortar as despesas obrigatórias, principalmente gastos com servidores, e abrir espaço para ampliar os investimentos. O governo tenta convencer as lideranças que essa nova agenda dura de medidas fiscais, mesmo depois do desgaste com uma reforma impopular como a previdenciária, é prioritária para dar folga, em 2020, ao Orçamento e, consequentemente, para as emendas parlamentares. Sem ela, argumentam os integrantes do time do ministro da Economia, Paulo Guedes, o ajuste fiscal não estará completo. Em contrapartida, o governo vai acenar no pacote de medidas de mudanças no programa de socorro dos Estados para ajudar os governadores a ter acesso mais rápido à ajuda do governo federal. A reforma administrativa, que deve reduzir o número de carreiras o salário de ingresso de servidores, a forma de progressão dos funcionários, entre outros pontos, ficará com a Câmara. E a PEC dos "gatilhos" para cortar despesas obrigatórias, a revisão da chamada regra de ouro (que proíbe o governo se endividar para pagar despesas correntes, como de pessoal) e desvinculações de fundos constitucionais ficarão na pauta do Senado. O corte maior deveria ser no Congresso, por ser o mais caro do mundo, o que seria como exigir que a raposa reduzisse o número de frangos no galinheiro. Foram criados infinitos penduricalhos que chegam a dobrar os vencimentos, sem descontos, e agora ninguém quer perder as mamatas.  Em resumo não se fará o que é preciso fazer: combater o “monstro que consome inutilmente os recursos públicos”.Cada deputado federal custa  mais de R$ 500 mil por mês. A troco de quê? 


Fonte: Gazeta do Povo e Elite Fm