Brasileiros se aventuram em cursos precários em outros países por diploma de Medicina - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Brasileiros se aventuram em cursos precários em outros países por diploma de Medicina

Por: Elite FM
Publicado em 03/10/2019
img
Universidade Privada de Guairá com 12 mil estudantes brasileiros- Foto: Reprodução- Facebook/Gazeta do Povo

A cidade de Pedro Juan Caballero tem 9 faculdades de Medicina com 12 mil estudantes brasileiros. Internacionalmente conhecida por integrar um dos principais corredores de  tráfico da América do Sul, a cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero vem passando por uma transformação nos últimos dois anos. Não que a atividade criminosa tenha cessado. A diferença é que se somaram ao  cotidiano, marcado por seguranças armados em cada esquina e crimes bárbaros, milhares de brasileiros vindos de diferentes regiões em busca de um sonho: o diploma de Medicina. Basta andar pela cidade, que faz fronteira com Ponta Porã (MS), e pelos  corredores das faculdades para notar que esse movimento migratório é expressivo. Na maioria das instituições de ensino, só se ouve o português. No entorno das universidades, é comum ver a oferta de coxinha e pastel, com preço em reais. Cresce ainda a construção de edifícios para repúblicas de estudantes. Habitada por 116 mil pessoas, Pedro Juan Caballero tem nove faculdades de Medicina, nas quais estudam pelo menos 12 mil brasileiros. O número é  superior, por exemplo, ao de vagas ofertadas por ano por todas as  universidades públicas do Brasil (10,6 mil). A migração em massa não é  exclusiva de Pedro Juan nem do Paraguai. Universidades da Argentina e da  Bolívia também vêm recebendo nos últimos anos um contingente de  estudantes de fora. Números inéditos do Ministério das Relações Exteriores (MRE) obtidos pelo Estado mostram que as faculdades de Medicina desses três países sul-americanos já reúnem cerca de 65 mil brasileiros. O número equivale a mais de um terço do total de alunos de  Medicina de todo o Brasil. A estrutura dessas faculdades é precária o que prejudica a formação, o que é preocupante porque esses  formandos em Medicina  voltam para o Brasil.


Fonte: Gazeta do Povo