Por que as maiores universidades não estão bem no ranking de governança do TCU - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Por que as maiores universidades não estão bem no ranking de governança do TCU

Por: Elite FM
Publicado em 03/10/2019

86% das universidades públicas têm nota abaixo de 5,na escala de 0 a 10.As universidades públicas brasileiras comprovam que muito dinheiro não tem relação com boa gestão. O Índice Geral de Governança e Gestão (IGG) produzido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) mediu o desempenho de 498 instituições governamentais, incluindo todas as universidades públicas. Entre as instituições de ensino superior, 86% têm nota abaixo de 5, numa escala de 0 a 10.Como informa o TCU, o IGG não forma um ranking por si só, mas permite que as organizações públicas se comparem, principalmente aquelas que atuam na mesma área. É possível comparar as notas das universidades, por exemplo, e comparar com as instituições de maiores orçamentos. “Universidade não é intocável, é de quem paga imposto”, diz secretário do MECAs. Quatro instituições de maior orçamento no Brasil, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal Fluminense (UFF), estão mal posicionadas quando o assunto é governança. A UFRJ, que tem o maior orçamento do país e uma das universidades com mais influência da esquerda petista, recebeu a pior nota no índice IGG. O Ministério da Educação pretende, nos próximos anos, mudar paulatinamente a distribuição de verba, de forma a valorizar as instituições mais bem administradas. As universidades nunca foram estimuladas a buscar governança. TCU critica também a capacidade de gerir contratações e aquisições. Várias universidades estão respondendo processos por mau uso do dinheiro público havendo até bolsas de estudo pagas com dinheiro público para quem nada tinha a ver com a universidade. Pagamentos de  estadias e diárias para namoradas e familiares fazer turismo às custas de dinheiro público. Enfim muito dinheiro para as universidades com retorno irrisório.


Fonte: Gazeta do Povo