Bolsonaro ataca na ONU o socialismo, Cuba, Venezuela e o ambientalismo radical - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Bolsonaro ataca na ONU o socialismo, Cuba, Venezuela e o ambientalismo radical

Por: Elite FM
Publicado em 26/09/2019
img
Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU. Foto: Reprodução/ONU

O presidente Jair Bolsonaro fez ,em Nova York , o discurso de abertura da assembleia-geral da Organização das Nações Unidas. Bolsonaro atacou o socialismo, Cuba, Venezuela, o ambientalismo radical, e defendeu a posição do atual governo sobre a Amazônia. Bolsonaro começou atacando os governos esquerdistas da América Latina e falando da "oportunidade de restabelecer a verdade" que está tendo. "Meu país esteve muito próximo do socialismo", afirmou, destacando os índices de criminalidade, a crise econômica e o ataque aos valores familiares que aumentaram durante os governos petistas. Falou sobre o fim do programa Mais Médicos, que, segundo ele, contribuía para promover a ditadura em Cuba. Além disso, criticou o governo venezuelano. "O socialismo está dando certo na Venezuela. Todos estão pobres e sem liberdade", disse. "Temos feito a nossa parte para ajudar, através da Operação Acolhida, elogiada mundialmente". Logo depois, falou da questão amazônica e dos "ataques sensacionalistas que sofremos por grande parte da mídia". Ressaltou a importância da soberania do Brasil sobre a região amazônica. "É uma falácia dizer que a Amazônia é um patrimônio da humanidade e um equívoco afirmar que nossa floresta é o pulmão do mundo". Atacou o presidente da França, Emmanuel Macron, referindo-se à sugestão que o francês fez sobre a necessidade de dar um status internacional à Amazônia, e agradeceu ao presidente Donald Trump como alguém que respeita "a liberdade e a soberania de cada um de nós". "É preciso entender que os nossos nativos são seres humanos, que querem usufruir dos mesmos direitos e deveres de cada um de nós", disse. Falou sobre as tribos indígenas e suas tradições, e afirmou que alguns líderes indígenas, como o cacique Raoni, são usados como peças de manobras por grandes forças estrangeiras, que querem "manter nossos índios como verdadeiros homens das cavernas". "Os que nos atacam não estão preocupados com o ser humano índio, mas sim com as riquezas minerais”, declarou  Bolsonaro. 


Fonte: Gazeta do Povo