Brasil tem o terceiro pior salário mínimo do mundo. De quem é a culpa? - Elite FM 101.7 - Energia positiva no ar!

Brasil tem o terceiro pior salário mínimo do mundo. De quem é a culpa?

Por: Elite FM
Publicado em 13/08/2019
img
Foto:Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Um estudo do Instituto alemão, divulgado em 2018, analisou o salário mínimo garantido por lei em 37 países, por hora de trabalho. Entre os países pesquisados, o Brasil teve o terceiro pior salário mínimo, ficando à frente apenas da Rússia e da Moldávia, dois países que foram parte da antiga União Soviética. É muito mais um reflexo da nossa baixa produtividade, do nosso baixo grau de desenvolvimento, do que realmente uma escolha política ou ainda uma escolha produtiva. As políticas populistas orientadas para objetivos eleitorais de curto prazo fracassam em lidar com as raízes do fraco desenvolvimento econômico. Apesar de haver benefícios em salários mínimos para a população mais pobre, debates no campo do livre mercado apontam que aumentá-lo pode ser prejudicial para empresas e até expulsá-las do mercado. No caso brasileiro, o salário mínimo funciona mais como uma barreira para mão de obra não qualificada e para pequenas empresas do que para aumento do bem estar. Muitos perguntam: ”Quem é o governo ou aqueles por trás de tais legislações para falarem às pessoas por qual remuneração por hora eles devem trabalhar no mercado e quanto um empregador deve pagar a elas?” Liberdade exige que cada indivíduo tenha a possibilidade de decidir pacificamente como direcionar e planejar a própria vida e em associação voluntária com outros nas diversas áreas da sociedade. Eles não são livres quando o governo pode impor e ditar o salário com o qual um ser humano pode oferecer sua força de trabalho e como outro escolhe empregá-lo. Qualquer coisa diferente disso transforma todos em vítimas econômicas e ferramentas do controle coercitivo daqueles que controlam o governo. Além disso, no caso brasileiro, o salário mínimo está mais atrelado aos benefícios previdenciários, tendo mais influência sobre eles do que sobre os salários reais no mercado de trabalho.


Fonte: Gazeta do Povo